Menino de 12 anos que vendia pastel é morto após cobrar dívida de R$ 1

News Border 07/01/2021 Relatar Quero comentar

Kaike da Silva vendeu pastéis aos filhos da suspeita e foi golpeado nas costas ao cobrar valor que faltava: R$ 1, segundo o boletim de ocorrência; e R$ 0,05, segundo ela

Um menino de 12 anos que vendia pastéis e outros salgados de casa em casa na cidade de Rubim, no Vale do Jequitinhonha, foi assassinado a facadas por uma mulher de 39 anos, que tem problemas mentais. O motivo teria sido uma cobrança no valor de R$ 1, que a suspeita ficou devendo para o garoto. O crime ocorreu nessa quarta-feira (6). 

De acordo com a Polícia Militar, Kaike Júnior Moreira da Silva vendeu pastéis para os filhos da suspeita e, na hora de conferir o valor pago, viu que faltava R$ 1. Ele, então, cobrou o dinheiro. Houve uma discussão entre a vítima e as crianças, mas como não conseguiu o dinheiro, o menino deu as costas e foi embora. Nesse momento, a mãe das crianças foi atrás do adolescente e deu uma facada nas costas dele. 

Já ferido, o menino saiu pela rua pedindo ajuda e caiu na calçada. Ele foi levado por policiais e um morador da cidade para o Hospital São Vicente de Paulo, em Rubim. No local, ele recebeu os primeiros socorros e seria transferido para o Hospital Deraldo Guimarães, em Almenara, na mesma região, mas ele não resistiu e morreu ainda em Rubim. 

Após o crime, a suspeita se trancou dentro de um quarto da casa e deixou cinco facas do lado de fora, em uma janela. Uma das facas estava suja de sangue. Ela não queria sair da residência e os policiais precisaram ficar por horas negociando com a suspeita.

O delegado Thiago Medina recebeu a ocorrência e conta que, durante o depoimento da agressora, ela alegou ter problemas mentais, mas não chegou a dizer quais, nem oferecer laudos médicos que comprovem a alegação. Ela disse fazer uso de quatro remédios controlados para dormir e de outros dois pela manhã e que nos últimos dias ela estava sem parte dos medicamentos.

De acordo com o policial, a mulher alegou que o desentendimento com a vítima aconteceu quando o menino conferiu o valor pago por ela e reclamou da falta de R$ 0,05 e que, quando ela respondeu que estava sem o dinheiro, o garoto teria ameaçado seu filho. Momento em que, ainda segundo a agressora, ela ficou "cega de raiva" e "sem saber o que estava fazendo" pegou uma faca em cima de um armário para atacar o garoto. 

A mulher contou que já teve problemas com o vício em álcool e que parou de beber quando começou a fazer tratamento. Ela também relatou que já passou cinco dias presa por ter "furado o marido".  No boletim de ocorrência, não foi registrada nenhuma testemunha presencial do crime, apenas os filhos da agressora, que ainda não foram ouvidos.

Clique na segunda página para continuar navegando
Comentário do usuário
Você pode gostar